Archive | Sexo RSS feed for this section

Arte de amar

24 jan

Se queres sentir a felicidade de amar, esquece a tua alma.
A alma é que estraga o amor.
Só em Deus ela pode encontrar satisfação.
Não noutra alma.
Só em Deus — ou fora do mundo.
As almas são incomunicáveis.

Deixa o teu corpo entender-se com outro corpo.

Porque os corpos se entendem, mas as almas não.

Autor: Manuel Bandeira

…e volto a beijar

21 jan

Eu gosto do seu corpo
Eu gosto do que ele faz
Eu gosto de como ele faz
Eu gosto de sentir as formas do seu corpo
Dos seus ossos
E de sentir o tremor firme e doce
De quando lhe beijo
E volto a beijar
E volto a beijar
E volto a beijar

Autor: E. E. Cummings

Kama sutra (Hoje será diferente – eu domino)

3 jan

Vou deitar você de bruços
Coxas presas entre as minhas pernas
Teus braços estendidos em entrega total
Com o peso do meu corpo sobre tuas costas
Contendo teus movimentos
Dominada pelos pulsos
Você não poderá mais escapar de mim.
Mas nada faria ainda se pudesse…

Então vou morder teu pescoço
E tua nuca gentilmente
Lambendo tuas orelhas
Apertando os teus peitos com as mãos
Torcendo teus mamilos tão sensíveis
Delicadamente…

Quero penetrar tua vagina.
Beijando tuas costas.
Ou puxando teus cabelos para trás.
Gemendo nos teus ouvidos.
Murmurando coisas obscenas.
Em total depravação;
Até meu gozo.
Mas não antes do teu.
Lentamente…
Até o fim!

Mas não sem antes descobrir que…
Eu te possuo.
Mas quem me domina para sempre é você.

Autor: Casto

Fonte: Literatices Eróticas

BDSM…?

28 dez

Hoje, durante as minhas pesquisas no google, me deparei com um termo que, a princípio, não tomou a minha atenção. 

Entretanto, depois de ler a breve descrição que aparecia, fui obrigada, pela minha curiosidade, a acessar o link. A descrição que aparecia era a seguinte: “odaxelagnia é uma parafilia que envolve a atração sexual por mordidas…”.

Bom, como eu AMO morder, não pude resistir e acabei pesquisando mais sobre o tema. Descobri muitas coisas do universo BDSM (o significado da sigla vcs podem ver no glossário). Algumas muito legais e outras…digamos…um pouco estranhas demais para o meu gosto!

Vou colocar aqui alguns textos interessantes que encontrei sobre o assunto. Não sou adepta de práticas relacionadas ao BDSM – ou pelo menos eu achei que não era, até descobobrir sobre a odaxelagnia…hehe – mas, algumas coisas, até que são bem interessantes…

PARAFILIA

É um padrão de comportamento sexual no qual, em geral, a fonte predominante de prazer não se encontra no ato sexual em si, mas em alguma outra atividade. São considerados também parafilias os padrões de comportamento em que o desvio se dá não no ato, mas no objeto do desejo sexual, ou seja, no tipo de parceiro.

Em determinadas situações, o comportamento sexual parafílico pode ser considerado perversão ou anormalidade.

As parafilias podem ser consideradas inofensivas e, de acordo com algumas teorias psicológicas, são parte integral da psique normal — salvo quando estão dirigidas a um objeto potencialmente perigoso, danoso para o sujeito ou para outros (trazendo prejuízos para a saúde ou segurança, por exemplo), ou quando impedem o funcionamento sexual normal.

As considerações com respeito ao comportamento considerado parafílico dependem em um grau muito elevado das convenções sociais reinantes em um momento e lugar determinados; certas práticas, como a homossexualidade ou até mesmo o sexo oral, o sexo anal e a masturbação foram consideradas parafílicas em seu momento, embora agora sejam consideradas variações normais e aceitáveis do comportamento sexual.

Entretanto, há quem considere que o excesso na masturbação após a adolescência ou o fato de alguém preferir sempre esta prática do que o contato com outro indivíduo venha configurar-se uma parafilia.

Por outro lado, o próprio conceito de parafilia tende a ser revisto já que na atualidade a ciência tem ampliado cada vez mais as variações aceitáveis do comportamento sexual, mas sem que os valores novos tenham aprovado algumas condutas ainda que acompanhadas da cópula vaginal, como é o caso das relações sexuais com crianças.

Sendo assim, é impossível elaborar um catálogo definitivo das parafilias; as definições mais usuais listam comportamentos como o sadismo, o masoquismo, o exibicionismo, o voyeurismo ou o fetichismo.

GLOSSÁRIO

Abrasão ou Escarificação: é estimulação da superfície da pele por materiais abrasivos, como: couro cru, lixa fina, escovas com cerdas metálicas ou não, etc. com a intenção de provocar sensações intensas no(a) masoquista(a). Pode ou não deixar marcas temporárias.
Obs.: Essa parafilia eu pulo! Próxima por favor!

Acomoclitic: Aquele que tem uma preferência para os sem pêlos genitais. Também usado no mundo dos naturalistas Smoothie – Smoothy.
Obs.: Essa é interessante…hehe!

Adestrar (Adestramento):
Impor regras e normas de comportamento, bem como padronizar algumas respostas para determinadas ordens ou estímulos.

Agulhas: são utilizadas em jogos e cenas, tem forte efeito psicológico, superior ao da dor. Não é recomendada para praticantes ativos com pouca experiência.
Obs.: Agulhas? Só quando preciso tomar uma injeção…e olhe lá!

Algemas: sendo de metal ou de couro, estas com clips para prender e soltar facilmente.

Alpha slave/sub: Eles têm autoridade, técnica e a última palavra sobre os outros na casa da sub/slave’s e no caso do Dom não estiver presente no recinto. Em Gorean vida são chamados primeira garota.

Analingus: é o termo “científico” para o sexo oral-anal, ou popularmente Beijo Negro.
Obs.: Beijo negro! Este termo eu não conhecia…hehe!

Anal Training (Treinamento Anal): Toda e qualquer atividade que vise a preparação do ânus para o “Anal Play”. Pode durar dias ou semanas, como um exercício de dilatação do ânus, preparando-o para ser usado, o que demora pelo menos 2 semanas.
Obs.: Tô passada! Tem treinamento pra isso? Como será que é? Ai curiosidade…

Arnica: substância utilizada para aliviar a dor e as marcas resultantes de torturas.

Asfixia ou asfixiofilia: é a prática onde é reduzida intencionalmente a emissão de oxigênio para o cérebro durante uma estimulação sexual com o intuito de aumentar o prazer do orgasmo.
Obs.: Ok…essa eu também passo!

Auto-flagelo: Prática que consiste em impor e efetuar torturas em si próprio. Na Dominação Virtual acaba sendo amplamente utilizado o auto-flagelo sob ordens expressas do Dono à distância.

Avaliação: É usual a escrava passar por uma avaliação visual e táctil de seu corpo, seja para sua aprovação inicial como escrava, seja para revisão prévia a cada sessão.

Bastinado: é o ato de bater nas solas dos pés.

Baunilha: é o termo usado para indicar o sexo convencional. Pessoas que não estão envolvidas em BDSM. Vanilla (do Inglês) “Baunilha”.
Obs.: Convencional? Tá aí…o que eu posso considerar convencional?

BBW: são as iniciais de “Big Beautiful Woman”, ou seja, mulheres gordas e bonitas ou atraentes. Essas mulheres estão se tornando cada vez mais “objeto” de desejo de milhares de homens ao redor do mundo. Os admiradores de mulheres com esse tipo físico se chamam Fat Admirer ou simplesmente “FA”.

BDSM: é a sigla para a expressão Bondage, Disciplina, Sadismo e Masoquismo, um grupo de padrões de comportamento sexual humano. A sigla descreve os maiores subgrupos: Bondage e Disciplina (BD); Dominação e Submissão (DS); Sadismo e Masoquismo/ou Sadomasoquismo (SM).

Biting: O Dom morde em várias partes do corpo.

Blindfold: Utilizado para bloquear o sentido da visão e aumentar a vulnerabilidade da sub.
Obs.: Hummm…esse é bom…

Bukkake: (Japonês) Receber uma chuva de esperma. Pode ser de um ou vários homens.

Body Art: corpo nu, exceto por adornos como piercings, tattoos, tinta.
Obs.: Não sei se posso considerar isso uma parafilia, mas ADORO homem tatuado e com piercings.

Bondage: é um fetiche e consiste em amarrar e imobilizar seu parceiro ou pessoa envolvida, usando cordas, adesivos ou algemas.

Bottom: (inglês) o mesmo que Passivo.

Branding: é feita normalmente com ferros aquecidos ao rubro, para produzir escarificação, marcanda como propriedade a escrava.
Obs.: UAU!!! Definitivamente eu não nasci pra isso!

Breast Bondage: é o ato de amarrar os seios femininos com corda, cadarço, bandagens, etc. como parte de um jogo erótico BDSM. Pode incluir “nipple bondage”, onde se amarram os mamilos dos seios.
Obs.: Cara, isso deve doer muuuito!!!

Calabouço (Dungeon): Aposento projetado e especificamente decorado e equipado para sessões BDSM. Também conhecido como masmorra.

Cane: é uma vara de bambu ou rattan, usada para spanking.

Cena: é uma atividade/jogo específico dentro de uma sessão ou relacionamento. Uma cena de spanking, uma cena de chuvas, de sexo, de disciplinamento, etc.

Chibata: é uma peça composta de um cabo e uma haste semi-flexível, normalmente utilizada para montaria. Consegue-se bastante precisão no spanking.

Chicote: é composto de um cabo, uma única longa tira de couro, podendo ter na ponta um pedaço triangular de couro. É o instrumento usado pelos domadores de feras nos circos.

Chuva Dourada (Piss-Urofilia): é a excitação no ato de urinar ou receber o jato urinário, em alguns casos beber a urina (Urofagia). A urina pode ser depositada no ânus ou vagina.

Chuva Prateada: Jogos e fantasias envolvendo suor, saliva, gozo e/ou esperma.

Clamp: são usados para prender em mamilos, lábios vaginais, escroto, etc.

Cock and Ball Torture (tortura do pênis e dos testículos): é uma atividade sexual BDSM sadomasoquista envolvendo os genitais masculinas. Mantém a ereção.

Cock Ring: (inglês) Anel em metal, couro ou borracha utilizado na base do pénis para prolongar a ereção.

Coleira: é um símbolo de entrega usada por um(a) submisso(a). Uma coleira é posta ou dada em um relacionamento como um profundo símbolo de entrega.
Obs.: Ahhh…esse é bonitinho!

Coleira Virtual: é uma representação no nick de uma escrava da coleira que ela usa, podendo ser real ou puramente virtual. Para representar geralmente envolve o uso de chaves ( { e } ) para denotar a coleira e um ( _ ) para a guia da coleira. Ex. {selynah}_SirLG.

Contrato: é um acordo escrito e formal entre as partes (dom e sub), definindo direitos e obrigações de cada um.
Obs.: Putz…o negócio é sério mesmo! Tem até contrato!

Crossdressing: é o ato de se vestir um homem de mulher ou mulher de homem.

Crush (esmagar): Geralmente usado no trampling, é o ato de pisar na genitália.
Obs.: Homens, alguém (que não pratique BDSM) se arrisca?

Cruz de Santo André: é uma cruz em forma de X, com argolas em todas as extremidades. Utilizada dentro do BDSM para imobilizar o escravo(a).

Cumming em Command (Psycholagny): orgasmos induzidos por estímulo mental ou acionado por palavras ditas pelo Dom ao sub.
Obs.: Opa! Acho que conheço esse! Se for o que eu estou pensando é booommm!

Cunnilingus: Lamber ou chupar o clítoris, vulva e lábios.
Obs.: Acho que essa parafilia muita gente conhece!

Cunt tortura: intensa estimulação ou dor ao genitais femininos.

Disciplina: é o uso de regras e punições para controlar o comportamento.

Doação: é o ato de emprestar, leiloar ou até vender escravos. Não pode definir nem impor a entrega permanente da escrava, que é algo pessoal e subjetivo, esta se restringe à apenas uma cena ou sessão com o novo Dono.

Dogplay: Práticas e cenas que consistem em transformar a escrava em cadela.

Dominação Psicológica: Prática que consiste em jogos de humilhação e subjugo verbal e psicológico, muitas vezes mediante disciplinamento rígido.

Dominador (fem. Domme) em BDSM: é uma pessoa que tem o papel dominante pela duração de uma cena ou é o o parceiro dominante dentro de um relação de troca de poder.

Dominatrix: Normalmente uma profissional que exige encargos para o seu serviço.

Dorei: é o nome dado á mulher submetida ao Shibari.

Dresscode: (Vestido Código) Onde a roupa identifica a (tribo), e/ou a preferência por certo tipo de parafilia.

D/s: Dominação e submissão.

Edge Play: Algo que está à beira de um limite.

Eletroestimulação: se difere de Eletrochoque por não ter a aplicação de choques elétricos de alta voltagem, e sim de pequenas voltagens controladas através de aparelhos próprios para estimulação involuntária de nervos e músculos do corpo, gerando reações diversas, não havendo a presença de amperagem pelo risco de vida. Requer diversos cuidados com a forma, local de aplicação e estado de saúde da escrava. Não é aconselhável a pessoas sem formação eletrotécnica.
Obs.: Geeente!!! Até formação é exigida para certas práticas!  

Empréstimo: é a prática que consiste no empréstimo da escrava a outro Dominador, com ou sem a presença do Dono ou reciprocidade.

Enema ou clister ou ainda chuca: é a introdução de água ou qualquer outro líquido no intestino através do anus, por higiene ou ainda por estímulo sexual.

Escárnio: Cena BDSM que consiste em escrever nomes injuriosos, humilhantes e agressivos no corpo da escrava, com uso de tinta, geralmente antes de sua exposição ou empréstimo.

Escravo (slave): refere-se a uma pessoa que cedeu sua propriedade pessoal e suas liberdades e tornou-se propriedade de seu Dono ou Mestre.

Espéculo Vaginal/Anal: Instrumento médico usado para se examinar a vagina, dilatando-a mecanicamente. Usado em práticas de exposição e jogos médicos.
Obs.: Nossa…acabei de pensar no filme jogos mortais! Deu medo isso aí em cima!!!

Estrangulamento (Agonofilia): Prática que consiste em fantasiar o estrangulamento, visando “hipoxifilia”.

Estupro Concedido: é uma teatralização onde o intuito está em dar prazer, fingindo uma prática que é contra lei, podendo usar de força e humilhação para o ato.

Etiqueta: regras principais são: tocar em qualquer um sem permissão ou qualquer forma de abuso são completamente proibidos.

Exame Íntimo: pode ser uma parte de uma cena de brincadeira médica onde o dominante inflinge um ou mais procedimentos que lembram exames médicos humilhantes ou embaraçosos no submisso.

Exibicionismo: é uma forma de excitação erótica, a mesma é proveniente da exposição dos órgãos genitais.

Face sittng: (face sessão) Prática mais ligada à dominação feminina, que consiste em sentar-se sobre o rosto da escrava, para seu próprio estimulo ou para provocar falta de ar na sub.
Obs.: Provocar falta de ar como? Com a bunda? Geeeente =o 

Fang Chung Chu: (Artes da Câmara Interior) é o coletivo para as práticas sexuais chinesas taoistas, praticadas para se conseguir a unidade com o Tao ou a imortalidade. São relatados casos de estados alterados de consciência ao se fazer uso desta prática. A muito grosso modo é o equivalente chinês ao Kama Sutra Indiano. Algumas práticas BDSM utilizam-se da técnica do Fang Chung Chu.
Obs.: Kama Sutra Indiano? Vou pesquisar sobre isso =D

Fetiche: é o desvio do interesse sexual para algumas partes do corpo do parceiro, para alguma função fisiológica ou para peças de vestuário, adorno etc.
Obs.: Todo mundo tem o seu fetiche, vai?

FGC: (do inglês) Female Gay Couple: (Casal de duas Lésbicas) (l), também se usa GFC / Gay Female Couple.

Figging: é uma prática sexual que envolve a inserção (parcial) de um “dedo” de gengibre no anus ou na vagina, provocando uma sensação de “fogo” dito de prazer indescritível. Ela é praticada por adeptos de sexo SM. Não é aconselhável à iniciantes, pois não se deve introduzir totalmente o gengibre, podendo levar á emergência hospitalar. Também usam bala Halls.
Obs.: Há outras técnicas usando balas Halls…

Finger fucking: repetida inserção e retirada do (s) dedo (s) na vagina ou reto.
Obs.: Conheço mais coisas do que imaginava sobre o assunto…rsrs!

Fist Fucking: (inglês) Fist, punho + Fucking (meter, na gíria) . Consiste na introdução da mão (punho) na vagina ou ânus. Também conhecido como Fisting.

Felação ou frotteurismo: é a excitação sexual resultante da fricção dos órgãos genitais no corpo de uma pessoa completamente vestida (popularmente conhecido como encoxar), no meio de outras pessoas, como nos trens, ônibus e elevadores.
Obs.: Com o consentimento da pessoa, óbvio! Pois, caso contrário, é assédio!

Flog: é um tipo de chicote com várias tiras de couro. Se as tiras forem trançadas, leva o nome de rabo de gato.
Obs.: Acho que esse já o 3º ou 4º tipo de chicote comentado. Caramba! Quanta variedade hein?

Foley: um cateter com um balão que pode ser inflado com água estéril para manter no ânus ou vagina.

Gag, Ball Gag: são instrumentos que são inseridos na boca para evitar que um submisso(a) possa falar. Podem ter a forma de bola, freio; podem ser rígidas ou moles.
Obs.: Será que as mordaças (aquelas de pano mesmo) se encaixam aqui?

Gatilhos Emocionais: associações de palavras, gestos, ações, comportamentos ou situações que provocam e desencadeiam reações emocionais. Um bom dominador(a) deve possuir tato para perceber quais são os gatilhos que desencadeiam reações positivas e negativas em seus submissos(as). E deve ter responsabilidade para usá-los ou evitá-los também.

Golden Enemas/Douches: Usando urina no lugar de água para enema ou douche.

Gor: é a Contra-Terra, é um mundo alternativo – “Crônicas de Gor” – de John Norman, uma séria de 26 novelas já publicadas que combinam filosofia reacionária, ficção científica leve e erotica BDSM. Seguidores na vida real ou on-line da filosofia e estilo de vida descritos nos livros são chamados de Goreans.
Obs.: Legal! Vou procurar! Se eu encontrar depois comento aqui.

Guia: é uma tira de corrente ou outro material destinada a prender na argola da coleira de sessão para com ela o Dom puxar e guiar a escrava.

Hojojutsu: é um sistema japonês de bondage de cordas especialmente concebido para restringir os movimentos de prisioneiros.

Hard-Dom: designado ao dominador que não tem piedade, tem mão pesada e gosta de cenas consideradas exageradas. Não significando que este Dom não respeite o SSC.

Honra: virtuoso sentimento de fama que leva a glória do DOM e a merecida consideração pública dentro da família BDSM pela dignidade e honestidade de seus atos e palavras.

Hood: (inglês) capuz, fetiche por capuzes, normalmente em latex ou couro.

Humilhação: é o ato de provocar a dor moral. Redução deliberada do ego para propósitos eróticos, variando de embaraço moderado a degradação.

Infantilismo: O sub é tratado como uma criança. Comumente usa uma fralda, sucks numa garrafa ou mama feeds.

Insertable: Tudo o que você pode inserir em um orifício. Mais comum: butt plug e legumes.
Obs.: “Tudo” é muito abrangente, não é não?

Interrogatório: Oral questionamento ao sub pelo Dom que normalmente vem como em toda a tortura ou cross exame.

Kajira: (Gorean) o mesmo que slavegirl.

Kinbaku: é a palavra japonesa para “bondage” ou ainda Kinbaku-bi que significa “o bondage bonito”. Kinbaku (ou Sokubaku) é um estilo japonês de amarração sexual ou BDSM que envolve desde técnicas simples até as mais complicadas de nós, geralmente com várias peças de cordas (em geral de 6mm ou 8mm) e que podem ser de materiais diferentes, sendo a utilizada tradicional corda japonesa a de cânhamo.

Látex: utilizado em diversos produtos de borracha sintética. Algumas roupas e brinquedos são feitos de látex. Algumas pessoas sentem atração por látex.

Leilões: normalmente é a venda de uma cena / tipo de jogo ou sub / slave para o maior lance (geralmente durante um determinado período de tempo).

Life stylers: aqueles que vivem e estão ativamente envolvidos em S/m ou D/s, numa base diária, incluindo TPE/EPE/TPT relacionamentos.

Limites: As fronteiras das atividades no BDSM acordadas e conversadas entre dominador e submissa, definindo o que e até onde uma prática ou uma cena ou um relacionamento podem ir. Limites devem ser obrigatoriamente respeitados. O limite se aplica às regras, cenas, práticas, níveis de dominação e submissão, duração das cenas, etc.

Little Death: também foi chamado Orgasmic Síncope, uma súbita e temporária perda de consciência durante o orgasmo.
Obs.: Orgasmo poderoso hein?!

Looners: adeptos de fetiche por balões (Inglês: Balloon fetish) é um fetiche sexual onde o portador é fascinado e se excita ao ver e tocar balões de latex (bexigas, bolas de festa).

LTR: (do Inglês) “Long Term Relationship”, relação estável entre duas pessoas.

Masoquismo: é a pessoa que busca prazer ao sentir dor ou imaginar que a sente.

Ménage à trois: é de origem francesa que significa “casal a três” e é para designar os relacionamentos sexuais entre três pessoas. Threesome (Inglês) Ter sexo a 3.

Menophilist: Aquele que é suscitado por mulheres menstruadas.

Mentor: é um amigo e instrutor, tanto para a parte técnica como para a parte conceitual do BDSM.
Obs.: Já comentei que a coisa é séria, né? Até instrutor!

Mestre: é o termo utilizado para identificar aqueles que controlam e/ou humilham o parceiro (numa ação consentida). [Master-Proprietário-Dominador-Dom-(fem) Domme ].

Mumificação: é a prática de se imobilizar o submisso(a), enrolando-o com ataduras, plástico, filme de PVC transparente (Magipack), impossibilitando qualquer movimento.

Não Consensual: Contra a vontade, sem permissão. Não admitito no BDSM.

Negociação 1: é muito importante para todos os envolvidos numa cena ou sessão, onde combinam códigos (safeword), regras, limites e atividades a serem praticadas.

Negociação 2: se diz quando Dominador e submissa estão em vias de fechar um acordo oral ou escrito, real ou virtual de troca de poder.

Odaxelagnia: parafilia que envolve a atração sexual por mordidas ou por ser mordido.
Obs.: Agora estou na dúvida se realmente me encaixo aqui. Afinal, eu mordo todo mundo! Namorado, amiga(o)…Acho que estou precisando de um Mentor…heehe!

Ulho: opção da submissa em se entregar como escrava, com sentimento elevado de dignidade pessoal, tendo orgulho de sua posição na socidade BDSM.

Palmatória: é similar á uma raquete de ping-pong de madeira ou borracha, pesada, as vezes furada.

Parafilia (paralelo ao amor): quando há necessidade de se substituir a atitude sexual convencional por qualquer outro tipo de expressão sexual, sendo este substitutivo a preferida ou única maneira da pessoa conseguir excitar-se.

Pearl colar: quando um homem ejacula no pescoço da sub. As gotas parecem com um colar de pérolas.

Play-Party: reuniões sociais onde ocorrem e se desenrolam cenas BDSM.

Playroom: local apropriado onde se realizam cenas ou sessões, provido de aparelhos e instrumentos de BDSM.

Plug: é um objeto em forma de pênis, mas com um estreitamento na base, próprio para ser inserido no ânus.

Podolatria: é um tipo particular de fetiche cujo desejo se concentra nos pés. No Brasil, um fetichista de pés é normalmente reconhecido pela expressão podólatra.

Ponyboy ou Ponygirl: é o submisso treinado para agir como um cavalo.

Pregnofilia: é uma parafilia que consiste em se ter desejo sexual por mulheres grávidas. Também conhecida como maieusofilia.

Privação sensorial: Para bloquear um ou mais sentidos da sub. Blindfold ou seja, gag, auriculares para bloquear ou reduzir audição e por vezes olfativa (odores).

Privação Sexual: é o ato de impedir física ou mentalmente que o(a) submisso(a) tenha prazer.
Obs.: Ahhh…esse é crueldade!

Proprietário: Um termo utilizado para aqueles que “vivem” como um Dono de sua propriedade (sub).

Relacionamento 24/7: Relacionamento BDSM que dura, 24 horas por dia 7 dias por semana.

Regras: são normas de conduta preliminares e básicas impostas num convívio BDSM.

Rimming: sexo oral no ânus. Ato de lamber ou beijar o ânus.

Ritual (Cerimonial): conjunto de formalidades e regras que devem ser observadas em qualquer cena, sessão ou até em cumprimentos e abordagens entre participantes.

Sadismo: envolve atos (reais, não simulados) nos quais o indivíduo deriva excitação sexual do sofrimento psicológico ou físico (incluindo humilhação) do parceiro.

Sadomasoquismo ou SM: é a relações entre tendências diferentes entre pessoas buscando prazer sexual, o termo sadomasoquismo é a relação entre tendências opostas, o sadismo e o masoquismo.

Safer Sex: (inglês) Sexo mais seguro. Como o uso de camisinhas ou luvas p/fisting.

SaferWord: é uma palavra ou série de palavras-códigos que são utilizadas em BDSM com o significado de cessar uma cena ou sessão.

Scat (chuva marrom): são jogos com fezes, onde os participantes se lambusam ou até existe a ingestão de fezes(Coprofagia). Ou ainda só a visão do outro defecar.
Obs.: Alguém mais ficou enjoado?

Serviçal Pessoal: é a escrava dedicada a tarefas domésticas e pessoais do Dono.

Sessão: pode ser definida como um conjunto de cenas.

Shibari: significa literalmente amarrar ou ligar e é usado no Japão para descrever o uso artístico na amarração de objetos ou pacotes. A palavra Shibari tornou-se comum no ocidente em meados dos anos 90 para denominar a arte de amarração chamada Kinbaku.

Slave: (do inglês) Escravo.

Saliromania: é a prática e/ou prazer associados ao suor.

Spanking: utilizado dentro da comunidade BDSM para o ato de bater, notadamente na região das nádegas.

Spread Bar: são barras longas, usualmente de metal madeira com argolas e/ou furos em cada ponta, usadas em situações de imobilização para manter os braços ou pernas do submisso(a) afastadas.

SSC: São, Seguro e Consensual. A importante tríade que separa o aceitável e o condenável no BDSM (São: Sadio, higiênico, salutar, justo, íntegro, consciente, sóbrio, maduro; Seguro: prudente, comedido, cauteloso, responsável e respeitoso; Consensual: Todos os envolvidos concordam com o que está acontecendo).
Obs.: Éhhh…e onde é mesmo que o “higiênico” se encaixa na prática do “Scat”?

Subspace: é um estado físico e mental ocasionado pela liberação de endorfinas. As endorfinas podem ser liberadas devido ao “stress” ou á uma prática intensa em uma sessão BDSM. Não é um acontecimento comum.

Sucção: feita na pele ou órgãos genitais, realizado com o auxílio de bomba de vácuo manual ou eletro-mecânica.

Smother: (do inglês) Sufocamento.

Suspensão: técnica de imobilização onde o peso da escrava é total ou parcialmente suspenso.

Switcher: pessoa que tem prazer em atuar como dominador(a) e/ou submisso(a).

Restrição: limitar alguém do movimento ou ação. Ou seja, limitando circulação, fazendo com que o ser subbies olhos para o chão o tempo todo.

Terror play: o Dom usa o terror ou medo para levar ao sub excitação sexual e / ou eles próprios.

Tickling: (do inglês) fetiche por cócegas com uso de penas, plumas ou mãos.

TPE: Troca Total de Poder.

Trampling (atropelar-pisar): é o ato de ser pisado, por pés descalços ou com sapatos. Mais comumente observado no fetiche por pés.

Troca de Poder: é associado a um submisso trocando sua autoridade para tomar decisões (seja apenas por uma cena, ou para toda a sua vida), por um acordo com o Dominante para que esse seja responsável por sua felicidade e saúde.

Thilpsosis: O Dom torna-se sexualmente suscitado por beliscar o sub.

Uncut: (Inglês) não circuncidado. O contrário de “Cut”.

Vergar: é o ato e subjugar e dominar a escrava e assim conseguir sua entrega e/ou obediência.

Vistas Baixas: usualmente imposta à escrava no BDSM como forma de demonstrar submissão.

Vore: (comumente abreviado para “vor”) deriva do termo “vorarofilia”, criado como referência a um vasto conjunto de fantasias e práticas em torno da devoração, metafórica ou não, de uma criatura viva por outra. Realizado dentro da ética BDSM, naturalmente o vore não admite qualquer prática de canibalismo real.

Voyeurismo: é uma prática que consiste num indivíduo (Voyeur), conseguir obter prazer sexual através da observação de outras pessoas, em atos sexuais, nuas ou em roupa íntima.

Voz formação: escravo é ensinado a falar com um padrão e inflexão de voz pelo Dom.

Wax play: Prática dentro do BDSM onde a parafina (cera) de uma vela é gotejada no corpo do masoquista.

Zelofilia: Prazer derivado do ciúme. Jogos e cenas que envolvam ou provoquem ciúme.

OBSERVAÇÕES DE QUEM VOS FALA:

(1) Pedofilia é crime! Tirar a inocência de uma criança por causa de um “fetiche” sexual é imperdoável!  

(2) Zoofilia também é crime! Nada justifica qualquer tipo de agressão – sexual ou não – aos animais.

(3) Os comentários acima não possuem o intuito de ofender ninguém. Caso isso ocorra, por favor deixar um comentário sobre o assunto que tirarei imediatamente do post caso a reclamação seja pertinente.

(4) Não entendo do assunto e, como comentei no início do post, fiquei curiosa depois que li sobre odaxelagnia. Os textos foram retirados das fontes abaixo e, caso alguma informação esteja incorreta, por favor avise para que eu possa corrigir.

(5) Se vc quiser saber mais sobre o assunto, o site Ghostwish pode te ajudar.

Fontes: Wikipedia e Ghostwish

Dança e sexo

29 nov

 

Pessoal, encontrei o texto abaixo por acaso na net e achei super interessante. Coloquei apenas uma parte dele mas, caso gostem e queiram ler na íntegra, o link para a página da autora está no final do post.

Espero que gostem… 

“Dois corpos suados… dele e dela, unidos numa cadência harmoniosa…
Ao redor… nada é visto ou sentido, se não eles…
Os sons…impulsionam os corpos, ora se afastam, ora se encontram…
E tudo começou com os olhares…
Que levou à aproximação de corações acelerados…
E ao desejo de entrega ao ritmo dos corpos…
E o depois?!
Depois..recupera-se o fôlego!”

Qual foi a imagem que veio a sua mente com essa pequena cena?

Se te fez pensar em sexo, muito bem.

Se te fez pensar em dança, muito bem também.

A associação da dança com sexo é absolutamente normal e, segundo cientistas, facilmente explicável. Todas as pessoas são visuais, auditivas e cinestéticas (tato), sendo um dos três canais sensoriais mais predominante que o outro em cada indivíduo, e com a dança são estimulados esses três sentidos, cada um dando a atenção exigida por seu canal dominante.

Mas o que isso tem a ver com sexo?

Muito simples! A música estimula o hipotálamo, região do cérebro responsável pelos impulsos sexuais e emoções em geral, e é por isso que também está confirmado cientificamente que a música tem influência sobre o corpo humano através das emoções, já que é registrada pela parte do cérebro ligada às emoções, contornando os centros cerebrais ligados a inteligência e razão, e nada tem a ver com você gostar ou não de um determinado tipo de música, os ritmos dela vão agir sobre você estando, claro, exposto a ela por um determinado período.

Podemos perceber essa influência quando assistimos a um filme ou jogamos um jogo de video-game, em que a música de fundo ajuda a ‘produzir’ a emoção desejada para a cena vista. Se a música destoar do que observamos, notamos que algo está faltando e gera contradições com o que vimos e sentimos, e quando a música casa perfeitamente com a cena, somos levados a sentirmos mais esta, e muitas vezes esta cena, a que mais nos emocionou, ficará gravada em nossa memória.

Claro está que nada disso significará que você sairá acasalando por ter escutado, visto ou sentido uma música ou dança sensual, afinal, somos seres racionais e temos controle sobre nossos instintos, ou deveríamos ter…Mas isso explica porque adoramos ver e ouvir determinadas danças e músicas e ficamos até excitados com elas.

Alguns cientistas afirmam que um casal (cinestético principalmente) que passou por uma sessão de dança sensual juntos certamente terminará a noite tendo relações sexuais satisfatórias. Claro que o(a) parceiro(a) e o ambiente ajudam, ou não, para este término. Para os solteiros, a dança pode ajudar abrir portas também, desde que a correlação dança/sexo seja feito pelo par unindo a atração entre ambos.

Portanto, é natural pegar-se excitado ao observar uma dança com uma música sensual, como também é natural achar que uma pessoa que dança bem seja sexualmente apetitosa. Então treine seus sentidos e aprecie mais essa arte, afinal, não são todos que conseguem dançar maravilhosamente, nos dois sentidos de dançar, mas a prática leva a perfeição, ou quase.

Fonte: Cantinho da Éris

As 10 melhores posições do Kama Sutra

19 set

pura-provocacao

1) Pura provocação
Escolha uma espreguiçadeira estreita o bastante para você se sentar com uma perna de cada lado e os pés no chão. Faça seu querido se deitar de pernas esticadas nela. Vá por cima, como mostra a ilustração, e mova os quadris, estimulando o pênis dentro de você para cima e para baixo, de um lado para o outro.
 

___________________________________________________________

 chao-estrelas

 2) Chão de estrelas
De costas para ele, curve o corpo para a frente, até apoiar as mãos no chão (se flexibilidade não for o seu forte, pode dobrar os joelhos). Faça-o encaixar por trás, abraçando-a pela cintura. Se seu homem for muito impetuoso, você pode usar um travesseiro para apoiar as mãos. 

___________________________________________________________

vai-e-vem

3) Vai-e-vem
Seu querido vai se sentar de pernas cruzadas e você, sentar-se de frente para ele em seu colo, passando as pernas em volta da cintura. Então, comecem a balançar para a frente e para trás bem devagar, aumentando o ritmo do movimento à medida que forem se aproximando do orgasmo.

___________________________________________________________

 proposta-indecente

4) Proposta indecente
Deite-se de lado numa superfície bem lisa. Apóie-se sobre o braço e levante a perna de cima bem esticada, formando um ângulo reto. Pode imaginar convite mais explícito? Basta ele se ajoelhar entre as suas pernas e fazer acontecer. 

___________________________________________________________

parece-mas-nao-e

5) Parece mas não é
A posição tem um segredo. Observe na ilustração que o bumbum da mulher não está apoiado na cama. O homem deve ficar de quatro (sobre os joelhos e as mãos) e você, erguer o corpo ao encontro do pênis. Enquanto ele mantém a posição, a iniciativa dos movimentos de entra-e-sai é sua.

___________________________________________________________

  

coladinhos

6) Coladinhos
Olha só que provocante variação do papai-e-mamãe (a mulher deitada de costas e o homem por cima). Até pode parecer, mas a posição não tem nada de comportada. O ideal é manter as colunas perfeitamente alinhadas. Assim, quando ele deslizar sobre você para cima e para baixo (em vez do tradicional entra-e-sai), cada centímetro da pele será massageado.

___________________________________________________________

 

cadeira-balanco

7) Cadeira de balanço
Faça seu amado se deitar com as costas apoiadas em um travesseiro alto, as pernas flexionadas e separadas, o membro pronto para entrar em ação. Sente-se sobre o rapaz do jeito que a ilustração mostra, suas pernas entre as dele. Braços para trás, coloque as mãos nos ossos dos quadris dele. Agora, já tem todo o apoio de que precisa para se movimentar para a frente e para trás, para cima e para baixo.

___________________________________________________________ 

cataratas-iguacu

8) Cataratas do Iguaçú
Entrem em uma banheira com água morna, que tenha chuveirinho. Seu amado deve se sentar com as pernas esticadas e você, no colo dele, apoiando os braços na beira da banheira. Enquanto ele a penetra por trás, dirija a ducha de água para o clitóris.

___________________________________________________________ 

vento-em-popa

9) Vento em popa
Deitada de lado, levante a perna de cima como um mastro, dando espaço para que ele se ajoelhe e a penetre. Agora, fazendo manobras para a frente e para trás e curvas audaciosas, pense que ele é o timoneiro que vai levá-los ao nirvana.

___________________________________________________________ 

gangorra-sexual

10) Gangorra sexual
Faça alguns exercícios de alongamento antes. Então, deite-se de costas e levante as pernas o máximo possível, dobrando-as para trás, paralelas ao chão. Ajoelhado à sua frente, o homem vai ajudar a manter o equilírio, sustentando seu bumbum nas coxas. Depois da penetração, comecem um lento e sensual movimento de sobe-e-desce, como numa gangorra.

Fonte: Revista Nova

Dar não é fazer amor

13 set

dar é bom

Dar é dar.
Fazer amor é lindo, é sublime, é encantador, é esplêndido.
Mas dar é bom pra cacete.
Dar é aquela coisa que alguém te puxa os cabelos da nuca…
Te chama de nomes que eu não escreveria…
Não te vira com delicadeza…
Não sente vergonha de ritmos animais. Dar é bom.
Melhor do que dar, só dar por dar.
Dar sem querer casar….
Sem querer apresentar pra mãe…
Sem querer dar o primeiro abraço no Ano Novo.
Dar porque o cara te esquenta a coluna vertebral…
Te amolece o gingado…
Te molha o instinto.
Dar porque a vida é estressante e dar relaxa.
Dar porque se você não der para ele hoje, vai dar amanhã, ou depois de amanhã.
Tem pessoas que você vai acabar dando, não tem jeito.
Dar sem esperar ouvir promessas, sem esperar ouvir carinhos, sem
esperar ouvir futuro.
Dar é bom, na hora.
Durante um mês.
Para os mais desavisados, talvez anos.

Mas dar é dar demais e ficar vazio.
Dar é não ganhar.
É não ganhar um eu te amo baixinho perdido no meio do escuro.
É não ganhar uma mão no ombro quando o caos da cidade parece querer te abduzir.
É não ter alguém pra querer casar, para apresentar pra mãe, pra dar
o primeiro abraço de Ano Novo e pra falar:
“Que que cê acha amor?”.
É não ter companhia garantida para viajar.
É não ter para quem ligar quando recebe uma boa notícia.
Dar é não querer dormir encaixadinho…
É não ter alguém para ouvir seus dengos…
Mas dar é inevitável, dê mesmo, dê sempre, dê muito.

Mas dê mais ainda, muito mais do que qualquer coisa, uma chance ao amor.
Esse sim é o maior tesão.
Esse sim relaxa, cura o mau humor, ameniza todas as crises e faz você flutuar.

Experimente ser amado.

Autor: Luís Fernando Veríssimo.